(21) 3165-4005 | 98698-0218 (financeiro) | 99633-7487 | 99633-7444 | 96774-4401 | 99633-7424 (Cursos)

NOVIDADES - Feridas na pele dos idosos - Quais são os motivos

24Jan2017

Feridas na pele dos idosos: Quais são os motivos?

A passagem cronológica dos anos acontece com qualquer pessoa e os primeiros sinais começam a aparecer na pele. Com o avançar da idade, a espessura da epiderme-derme passa a sofrer uma redução e diminui a elasticidade em decorrência da perda de colágeno gradativamente.

Outras mudanças que ocorrem são uma redução da secreção de sebo pelas glândulas sebáceas, o número de glândulas sudoríparas também sofrem uma queda, bem como os vasos sanguíneos passam a apresentar uma maior fragilidade, prejudicando a função imunológica e favorecendo infecções.

Essas alterações provenientes do envelhecimento da cútis a deixam mais suscetíveis ao aparecimento de feridas (ou lesões). Contudo, outros fatores também deixam a pele mais sensível, tais como a constituição genética, fatores ambientais (excesso de exposição solar e poluição ao longo dos anos), má alimentação e efeitos de doenças da própria pele ou sistêmicas, resultando em uma maior secura da pele, aspereza, surgimento de lesões benignas e, por fim, as úlceras varicosas ou venosas.

Tipos de problemas na pele

É comum que indivíduos que possuem diabetes, hipertensão arterial, problemas circulatórios, ou que são fumantes e obesos desenvolvam as úlceras. As úlceras varicosas ou venosas são provocadas pela má circulação nos membros inferiores. Já as escaras, denominadas clinicamente como úlceras por pressão são ocasionadas pela pressão mantida sobre a pele por um período prolongado decorrente da falta de mobilidade, que é o principal fator desencadeante. Ou seja, como alguns idosos apresentam doenças nas quais é preciso permanecer acamados, podem surgir as úlceras por pressão.

O surgimento de angiomas ou manchas avermelhadas, bem como o crescimento de cistos sebáceos localizados no subcutâneo também são corriqueiros. Os distúrbios da cútis apresentam-se por meio de erupções, eczemas, manchas, bolhas e vesículas, pústulas, urticária, coceiras, nódulos ou tumores.

Prevenção e tratamento

Como a pele do idoso apresenta uma menor hidratação, deixando a desprotegida e suscetível à infecções, é importante manter alguns cuidados básicos, que incluem manter a pele sempre hidratada, evitar vários banhos no decorrer do dia, especialmente, se for em água quente, pois isso facilita a perda de água da barreira de hidratação natural da cútis.

O banho deve ser feito sempre com água morna e usando um sabonete neutro. Depois da higienização, deve-se aplicar um hidratante corporal que seja à base de ureia para evitar a evolução de uma pele ressecada. O uso diário de protetor solar também é fundamental, pois previnem o aparecimento de manchinhas solares, os melasmas. E, claro, é importante evitar objetos espalhados pela casa que podem causar hematomas e traumas na pele do idoso que demoram a cicatrizar.

No aparecimento de manchas na pele, sem causa aparente, é importante buscar ajuda de um médico para que ele avalie o que originou o problema e indique o melhor tratamento.